Foto do artista Devendra

O Pródigo Das Asas De Cera

Devendra


Engrenagens que manipulam a máquina
Que palpita em meu peito
Bandagem para esconder a palidez
E as marcas, mesmo liberto do leito
Falsas armas que me dão
A sensação de um breve carpe diem

Singela insensatez de ingenuidade e barbárie
São filosofias

Ataduras e tubos maquiam feridas criadas
Por filosofias secas, como as folhas do outono

A natureza de meus atos niilistas
Me impede de ver
A suavidade da aurora ao amanhecer

Resgate em meio à chuva de flechas
O gosto amargo da morte
Que toca os céus trazendo com ela o veneno
Que mortifica minha carne
Luz turva que clareia o horizonte estrelado
Que clareia o céu

Luz pra eu andar, meus pés
Em terra firme vão caminhar
Em meio à Babel
Em chamas, juntos vamos cear

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: Bob Bernardo / Devendra / Tom · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por Johnny
Viu algum erro na letra? Envie sua correção.