No Compasso do Meu Mundo

João Chagas Leite

exibições 3.178

O dia já madrugava pra moldar bastos nos lombos
Num vento brandindo o pala bem desabado nos ombros
Por que este ano o inverno se acomodou por aqui
Mas não pega assim no másquem traz Rio Grande em si

Uma baia gaviona refugou bem na porteira
Mas meu gateado bragado pede o freio na mangueira
E o sol espia a campanha botando um gosto no mate
E vai quarteando a peonada pra mais um dia de embate

As esporas se despedem e se apartam pra casa lado
Aquerenciadas ao garrão das botas cano virado
Pois guardam pelas rosetas alguma balda de potra
Pra contarem no silêncio do galpão uma pra outra

Meu gateado pelo grosso mordendo o jogo do freio
Vai rangindo os paysandú que só descansa se me apeio
Trazendo pras campereadas algum verso mais sonoro
Arrinconando os estribos aos braços fortes dos loros

Do vento sopra uma copla que do mato pede abrigo
Parece até que se perde repontando um sonho antigo
E o que vejo me basta pra esta vida de rural
Um quero-quero cantando e o gado lambendo sal

As armadas retovam tentos onde figuram rodilhas
E uma pampa vai na volta sustentada na presilha
Pois a lida assim tranqueia campereando a várzea do fundo
E o dia segue a passo no compasso do meu mundo

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: Gujo Teixeira / Jarí Ternes · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por Renata
Viu algum erro na letra? Envie sua correção.