Foto do artista Luiz Marenco

Milonga Pra Quem Partiu

Luiz Marenco


Um assobio de milonga
Uma guitarra ponteada
Sonoridades do campo
De encantar madrugada
Ecoa o galpão tranqüilo
E o assobio chama o cusco
Levanta a orelha e parece
Achar a nota que busco

Uma marca bem antiga
Que há tempos não escutava
Surge na ponta dos dedos
Onde será que ela tava?
Decerto veio de longe
Da alma ou bem mais além
Do fundo do sentimento
Daqueles que ainda o têm

(Silêncios eu já não quero
E se preciso for, eu invento
Hoje um assobio fez milonga
Enquanto eu tirava um tento
A mão de cordas e couros
-Quando precisa, se agarra-
Rude trançando uma rédea
Mansa ponteando a guitarra)

Sossego, um cusco e um bom mate...
O meu galpão é assim
De vez em quando a guitarra
Canta saudades pra mim
Fazendo a alma encontrar-se
Com os que mateavam aqui
Dispersa encontra os amigos
Que o tempo diz que perdi

E a madrugada se estende
Querendo já não sair
Esqueço o mundo do campo
E toco pra alguém ouvir...
Sentido das minhas mãos
-Sonoridade e feitio-
Destino da minha alma
Lembrar de alguém que partiu...

(Silêncios eu já não quero
E se preciso for, eu invento
Hoje um assobio fez milonga
Enquanto eu tirava um tento
A mão de cordas e couros
-Quando precisa, se agarra-
Rude trançando uma rédea
Mansa ponteando a guitarra)

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: Diego Espindola / Gujo Teixeira · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por Anderson
Viu algum erro na letra? Envie sua correção.