Aprenda inglês com a maior plataforma de letra de música da América Latina Assista 3 aulas grátis
exibições 101.910

R.U.A 3 (Selva de Concreto)

Nocivo Shomon


[Vietnã]
Percebo o que tá acontecendo
Maldade tem de sobra pra entender, rap é soro pro meu veneno
Minha intenção não é machucar seu Deus tá vendo
Sociedade é a fauna mais macabra que eu pude presenciar

Que pelo pódio qualquer coisa tá valendo
Essa é pra quem matou se não matou, se pá marcou e vai rodar
São várias voltas grandes num mundo pequeno
Quem fala é o caçador rasgando a dor preparado pra revidar

Mando um salve pros braço, em vida fecho com a matilha
Furando o concreto no aço, brinquedo não pega na pilha
Tirando pele de raposa, que passa por nós pelas gírias
Onde todo animal fala, nem todos protege a família

Não quem comprava eu era quem tava vendendo
Não é por orgulho e não é pra se envergonhar
Foco na causa domínio do meu terreno
Faço escola, traço a risca e quem não é não vai passar
(É a lei da selva chapa)

A insanidade às vezes cruza meu caminho
Nota de 100 eu nunca vi ninguém rasgar
Nego, parece mas eu nunca tô sozinho
Conheço a trilha e sei bem onde vai dar

[Nocivo]
Raio laser, é a blazer na biqueira de cima
Plantando ódio na favela, colhendo bomba de Hiroshima
Perfume de jasmim, é o mal que se aproxima
Vocês nasceram com grana, nós nascemos com rima

Cantei no calabouço, com dor escrevendo frases
E o sofrimento que cria poetas e kamikazes
Mundo moderno só futilidade espalhando maldade através do iPhone
Verão não inverno, mudaram o clima do inferno, PM no bote de drone

Ouvindo Post Malone batendo pique Stallone
E se Jesus não voltar eles fabricam o clone
Querem falar de amor, são pedras nessa trilha
Secos de coração, o abraço é uma armadilha

O ódio fez cartilha nessa escola de lágrima
Vingança é como câncer que se espalha igual magma

[Helião]
Mundão perigoso como um alçapão
Trago, sinto a falta de vários irmão

[Nocivo]
País do futebol não consegue educar
Quantos vão morrer sem voz se o rap se calar?
Orra vagabundo ó, vou te falar
Menor que atira é preso, não quem fabrica hk

Temos cara de bandido que assusta dona lívia
Não quem carrega a nave com a coca da Bolívia
No rio de solidão querem um gole de fama
Difícil achar amor onde é fácil ir pra cama

Governo dá risada enquanto meu sangue derrama
E o crack da quebrada levou 10 no fliperama
O crack na quebrada, mais família a sucumbir
E a modelo do baile hoje parece um zumbi

Sou da época de épicos, Moonwalker e Dread
Hoje a pedra faz o gueto parecer The Walking Dead
Criaturas do concreto traz um pino de antraz
A verdade te condena e a loucura te satisfaz

[Np Vocal]
Entre homens simples e seus androids vi
Digitalizaram ódio, amor, virando óleo de
Máquina pra máquina na indústria de menores zica
Maior na condução da boca mais forte da família
O pai morreu na guerra, mãe na fila do transplante, liga

Uma menina se chamava Olívia deixou falando em Bernardes
Mais vale uma pistola e uma vadia
Do que seus paradigmas e a segurança porra de polícia
Foda-se memo, se eu morrer hoje cês vai me ouvir
Cantando pro cês o que o espelho só falou pra mim

[Helião]
Quem não paga o preço (quer mudar o quê?)
O sistema é cabresto (me esforço pra ser!)
Meu coração não é panfleto (mas entregam você!)
Não é questão de branco ou preto

Somos reféns da cidade, rua não tem liberdade
Uns estão preso à vontade, outros tão livres sem chaves
Numa prisão sem ter grades, coisa de mentalidade
Escravos da sociedade, vivendo sem novidade

Vaidade cresce, tem ninguém pra se importar
A melhor parte de mim é o ódio e vai salvar
Me resgato, dou esperança a quem tá fraco
Que saco, não aguento os mesmos papo

Os mesmos erros, os cheiros, os perrequeiros
Que bosta! Você diz que a rua é escola, qual matéria que mais gosta?
Atirar só pelas costas, aprender pedir esmola
Prostituir menor é moda, um brinde a derrota

Cornear então tá, minuto de prosa
Os muleques sem pistola dão garrote nas idosa
O que mais me incomoda, rap não foca
Mas eu vou compor provas, gira o mundo, gira a roda

Você mendigo rico não sabe o que é somar
Seu rosto julga os bico, os dedo é pra apontar
Há vá! Helião boca de se lasca
Sua mente é meu parque vem cá, voltei pra passear

[Chico]
Selva de concreto, vida longa papo reto
Resistência, união, atitude
Vários mente fraca na mentira se ilude
No verso ecoa a voz, fechadão quem tá com nós
Favela é um bom lugar, dizia Sabota, esteja em paz, em paz
Favela é um bom lugar, dizia Sabota, ecoa na voz, ecoa na voz
Resistência, união, atitude
Resistência, união, atitude
Vários mente fraca, na mentira se ilude

[Clara Lima]
Sistemática da norte, problemática e sem sorte
Eu me juntei com os vagabundo, pronta pra dá um pinote
Pra me libertar dou o máximo do meu potencial
Biatch! Shut up and look me now

A luta e o luto tem um certo parentesco
Crise num país carnavalesco, será um pretexto?
Expondo a falta de esforço que o nosso sistema é feito
Sem cantar frase de efeito ou o que seja pra impor defeito

Eu peito de peito aberto pra que seja feito assim
Pique Martin Luther King, 'But I have a dream'
Quer permanecer cantando
Igual o febem eu quero é roubar um carro forte esse ano, mano
Esforço desumano como disse meus mano
Nós tamo trabalhando, então cê passe o pano
Quando cê vê os cano, que nós não tá brincando
E quem pensa errado demais acaba se atrapalhando

[Raillow]
E é o produto externo e caiu como uma luva
Saio daqui, e volto daqui e nada muda
E as novinhas cresceu e o tráfico tá na mesma curva
E nós nasceu pra ser artista na rua

Mano por entre as carnes que sentem e o sistema que abusa
Pelos mortos que ficaram em claros nas noites turvas
Ae moça, se pediu uma, pede duas
Vou entregar pro cê também o mundo junto com a Lua

Tem produto pra dar, pra vender, mas nós usa
A paz tá na mente, a segurança na cintura
Cada rua uma rua, cada carne, cada corpo
E as nuvens vindo alimentando outra ditadura

E eu? Eu moro aqui sim, senhor eu sou daqui sim, senhor
Mas eu não te devo aonde eu vou e nem desculpas!
Inverteram o padrão, é o produto interno bruto
E palavras curtas pra longos dias de luto

Eu tava cansado de tudo que ouvia, garganta secava, outro jogo eu fazia
Olhares me cercavam, uma parte de mim e uma noite pra nós
Madrugada a sós, uma noite de guerra, os amigo armado a quebrada vazia
Nadando entre mares violentos, ao lado sereias, piranhas e iscas
Aqui o chão que pisa explode, aqui o que fode a vida inspira
E o que sobra a vida vende, pressas sangram, as luzes piscam
Câmeras olham e olhares gravam tudo
E ninguém quer ser testemunha e nem confiar na polícia

[Np Vocal]
Décadas de primavera e a mãe ainda tá sem notícia
E a única certeza é que vai chover de polícia lá
Décadas de primavera e a mãe ainda tá sem notícia
E a única certeza é que vai chover de polícia lá

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: Clara Lima / Nocivo Shomon / NP Vocal / Raillow. Essa informação está errada? Nos avise.
Enviada por Carla. Legendado por Richard. Revisão por Flávio. Viu algum erro? Envie uma revisão.

Você não precisa da tradução para entender essa letra!

Participe do evento e aprenda inglês com música

Quero participar

Posts relacionados

Ver mais no Blog