Eu nasci no mato, e sou matuto do bom
sempre canto no tom
nunca desfinei
e de uma sanfona, nunca me separei

sou caipora do mato
sou madeira de rei
me criei no cangaço, mas eu nunca matei
mas eu nunca matei um
matar um nunca matei
mas eu nunca matei um, porque nunca desejei

mas eu sou cruel, sou parada dura
ninguém segura quando eu tomo uma bicada
daquela danada
daquela que a maria me dá todo dia
que provoca uma agonia
pelos cantos da lavada(?)

mas eu nunca matei um
matar um nunca matei
mas eu nunca matei um, porque nunca desejei

(repete tudo)

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir

Posts relacionados

Ver mais posts