Domar cavalo sempre foi minha vocação
Herdei de berço ou talvez seja minha sina
Levo comigo freio, mango e xergão
E entre os dedos muitos fiapos de crina

Primeira sova eu sempre dou campo a fora
Se "reborqueia", parece que dança um tango
As "cosca" ficam na roseta da espora
E as "balda" levo junto a tala do mango

Essa escola não freqüenta cola fina
Atar o cacho onde a china prende o grampo
Saber as manhas de um xucro e saltar em cima
Só se aprende na faculdade do campo

Muito me agrada o pelado de um campestre
Sair cortando a virilha de um lobuno
Mostrar pra ele que o ginete é sempre o mestre
E o potro xucro vai sempre ser o aluno

Aos que se arrastam e aos que vão às alturas
Pra mim cair só se desmanche o arreio
Se me atrapalho a espora me segura
Se acaso caio fico pisando no freio

Essa escola não freqüenta cola fina
Atar o cacho onde a china prende o grampo
Saber as manhas de um xucro e saltar em cima
Só se aprende na faculdade do campo

Levar no encontro um brasino pra o rodeio
"Campiar" a volta ou sentir a mao na crina
"Xinchar" sozinho um zebu laçado ao meio
Pro potro novo é a primeira sabatina

Depois de tudo hay de ter sinceridade
Gesto de amigo para poder ensiná-lo
Nem sempre o homem é o dono da verdade
Muito se aprende ao lidar-se com cavalo

Essa escola não freqüenta cola fina
Atar o cacho onde a china prende o grampo
Saber as manhas de um xucro e saltar em cima
Só se aprende na faculdade do campo

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir