Paço do Rosário

Oswaldo Montenegro

exibições 1.961

Beira de rio, Paço do Rosário se avista ao longe
As ruas tortas vão se desenhando pelo arraial

Beira de rio, Paço do Rosário limitando a agreste
Sua janela, sua velha doca de barrica e pau

Água barrenta rolando sem pressa consumindo a terra
O pôr-do-sol avermelhando Paço do Rosário

Na velha igreja já são 6 da tarde o povo reza o terço
Ave Maria, Mãe do Céu - cruz credo! Quem me mata é Deus...

Murmúrio lento, como prece aflita, vai descendo o rio
Acompanhando o dia que se vai buscando o anoitecer
E anoitecendo, Paço do Rosário quase silencia
A velha estátua caída na praça, mais um dia

Velha rameira deixa a vela acesa por Virgem Maria
Ave Maria, Mãe do Céu - cruz credo! Quem me mata é Deus...

Num descampado vazio
De obscuro intinerário
Pousada a beira do rio
Dorme Paço do Rosário

Vive de sonho e promessa
De um mercado portuário
Do lava roupa e conversa
Da lavoura e pecuária

O povo inteiro se apega
Aos pés do Santo Sacrário
Se amarra ao terço e se perde
Nos mistérios do rosário

No dia-a-dia da lida
Cada qual mais solitário
Feito conversa comprida
Da gaiola com o canário...

Add a playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir