exibições 891

Fábulas de Carreiro

Pena Branca e Xavantinho


Ai eu botei meus boi na canga e carreguei meu carretão
Ai era ainda noite cerrada já eu estava no espigão
Ai era eu e o boi maiado empareiado ao boi marrão
Ai só nós três na madrugada cortando estrada, escuridão

Ai uma estrela se desgarrou ai
E fulminou meu carretão
Minha pareia se abalou ai
E se matou no ribeirão

Lá uê, uê, uê, meu boi maiado ai
Lá uê, uê, uê, meu boi marrão
Ai quando lembro choro abafado ai
E quando canto é de paixão

Ai a saudade não é brinquedo
Quando se apossa de um coração
Ai eu às vezes me acordo cedo
Me estremeço na solidão

Ai minha aparenta minha pareia
Puxando o carro no chapadão
Ai era assim desde menino
Mas o destino me fez traição

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir

Posts relacionados

Ver mais no Blog