exibições 4.217
Foto do artista Pineapple

Júpiter Dayane

Pineapple


[Knust]
Brindo da vitória pra quem veio lá de baixo e rimou até ficar milionário
Se eu contar que depois do dinheiro se contar os verdadeiros cabem no meu carro
Quem mudou de vida com verso e batida sabe que esse jogo é sujo pra caralho
Quantas madrugada os que duvidaram

Brindo da vitória pra quem veio lá de baixo e rimou até ficar milionário
Se eu contar que depois do dinheiro se contar os verdadeiros cabem no meu carro
Quem mudou de vida com verso e batida sabe que esse jogo é sujo pra caralho
Quantas madrugada os que duvidaram viram que meu sonho paga meu salário

[César MC]
Pronto pra jogar e esse é meu time
Se não vem somar, não opine
Se quiser filmar, mano, então filme
Mas o mundo não é como os filmes
Esse blá blá blá tá no business
Vim quebrar com a lírica fitness
Pelas esquinas botando sangue na rima
Essa é a rotina pra botar o freestyle no Guinness
Yeah, você tem fome de quê?
Isso é tudo que o mundo não pode tirar de você
Yeah, eles não podem te tirar, permanece
Carrego o campo no olhar, tipo Messi
É que nem tudo aqui é blefe
Lek, acha o que te fortalece
Leve, lave do que te entorpece
Cheque, na busca do xeque-mate
Não se mate pelo cheque, jão
O mundo não é de quem tem razão (não)
Mas a honra não cabe quem abre mão
Nós temos fome de vida, de causa e pão
Mas encher a geladeira também é revolução
Não há nada mais inspirador que a fome
Você tem fome de quê?
Profundo, esse mundo imundo já morreu
E eu me sinto Dom Quixote, por isso vivo no meu

[Knust]
Brindo da vitória pra quem veio lá de baixo e rimou até ficar milionário
Se eu contar que depois do dinheiro se contar os verdadeiros cabem no meu carro
Quem mudou de vida com verso e batida sabe que esse jogo é sujo pra caralho
Quantas madrugada os que duvidaram viram que meu sonho paga meu salário

[Xamã]
To a fim de provar seu gosto
Vou comprar um cigarro, passa ali no posto
Eu sei que cê não esqueceu meu rosto
Igual o segurança do seu prédio que eu pintei de preto fosco
Vamo pra Miami, vamos para Júpiter, Dayane
Vou ficar na cama mais um pouco
Quero o mundo inteiro e mais um troco
Quero que se dane
É beat do Jogzz, cabeçada do Zidane
Xamã é escroto, então não me ame
E ela se derrete, e eles tem derrame
Todo mundo louco
Todo mundo quer uma linha soco
Daqui pra Miami
Pago um Uber Black pra Tayane
O abusado não respeita os outros
Eclipse hit, o tsunami dos garoto
Chama a Viviane
Calcinha de papel celofane
Nóis que tá no topo
Nóis que dá um tapinha na sua bunda de coco
Vem de sutiani
Sutilmente quer que tu se dane
Um Xamã que assassina o outro
Tipo Blade Runner
Gorila Xamã e a senhorita Jane
O Deus macaco não pode ser morto
Livre, leve, louco, solto

[Knust]
Brindo da vitória pra quem veio lá de baixo e rimou até ficar milionário
Se eu contar que depois do dinheiro se contar os verdadeiros cabem no meu carro
Quem mudou de vida com verso e batida sabe que esse jogo é sujo pra caralho
Quantas madrugada os que duvidaram viram que meu sonho paga meu salário

Brindo da vitória pra quem veio lá de baixo e rimou até ficar milionário
Se eu contar que depois do dinheiro se contar os verdadeiros cabem no meu carro
Quem mudou de vida com verso e batida sabe que esse jogo é sujo pra caralho
Quantas madrugada os que duvidaram viram que meu sonho paga meu salário

[Chris MC]
Viver disso é suicídio, entra a fama e o anonimato
E pra não delatar os meus, não quis ser capitão do mato
Por isso aos pouco eu me mato
Gritando amor aos quatro canto sem saber o que é ser amado de fato
Isso aqui daria um filme, igual Negro Drama
Botando a culpa nas estrela que vieram da lama
Que não mudou porra nenhuma, pois a falsa fama
E não esquece que primeiro é amar quem te ama
É igual comida nordestina, isso aqui é só pros forte
Quando eu falei de morte, eu não falei dos corte
Cês falam tanto em ligação, mas são trote
Ta tão tenso que por aqui sorrir ainda é sinal de sorte
Ando dançando com a dor exercendo pressão
Isso aqui é um combate mortal entre o sim e o não
Se não se comove com sangue inocente no chão
Quem cês são pra querer ditar emoção, hein?
Mudei meus pano, mudei minha cara, mudei meu nome
Mas nunca mudei perante o microfone
E certas hora até o hater some
Crítica não tem dom de assustar quem já encarou a fome
E eu não deixo o meu posto
Não abandono quem me aplaudiu com lágrima no rosto
Cês são sem brilho, fosco
Uma história que só aumenta a cada 26 de agosto

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: Chris MC / Xamã / Knust / César Mc · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por João, Legendado por mangle
Viu algum erro na letra? Envie sua correção.