Foto do artista G.R.E.S. Portela (RJ)

2020 - Guajupiá, Terra Sem Males

G.R.E.S. Portela (RJ)


Clamei aos céus
A chama da maldade apagou
E num dilúvio a terra ele banhou
Lavando as mazelas com perdão
Fim da escuridão
Já não existe a ira de Monã
No ventre há vida, novo amanhã

Irim Magé já pode ser feliz
Transforma a dor
Na alegria de poder mudar o mundo
Mairamuana tem a chave do futuro
Pra nossa tribo lutar e cantar

Auê, auê, a voz da mata, okê, okê arô
Se Guanabara é resistência
O índio é arco, é flecha, é essência

Ao proteger karioka
Reúno a maloca na beira da rede
Cauim pra festejar, purificar
Borduna, tacape e ajaré
Índio pede paz mas é de guerra
Nossa aldeia é sem partido ou facção

Não tem bispo, nem se curva a capitão
Quando a vida nos ensina
Não devemos mais errar
Com a ira de Monã
Aprendi a respeitar a natureza, o bem viver

Pro imenso azul do céu
Nunca mais escurecer

Índio é tupinambá
Índio tem alma guerreira
Hoje meu Guajupiá é Madureira
Voa águia na floresta
Salve o Samba, salve ela
Índio é dono desse chão
Índio é filho da Portela

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: Araguaci / Beto Aquino / D’Souza / José Carlos / Pece Ribeiro / Rogério Lobo / Valtinho Botafogo / Zé Miranda · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por Carlos
Viu algum erro na letra? Envie sua correção.