Foto do artista PrimeiraMente

Menino Assassino Part 2

PrimeiraMente


E eram dois menor de quebrada
Colava no campinho de segunda e quarta
Filho de mãe solteira que batalha dobrado
Quando fazia feira ela dava um trocado
Pra que eles pudessem comprar algo na hora
Juntassem pra comprar algo daora
Um reclamava que não tinha chuteira, e o outro só falava que não tinha uma bola
Mas o dinheiro o ano inteiro não sobra, e agora?
O sonho de jogador foi embora
E o mais velho só cabula na escola
Influência errada, confusão não demora
Ele trama cena nova pra fazer lá fora
Professor chama a atenção, tirou um zero de história
Tava nem ligando, é cada um sua pistola
E os dois viram cinco dentro de um gol bola
E eles foram pra cena, caíram pra cima
Pensando somente na condição
Que eles ia ter, se pudesse ver a cor de várias nota verde pesando na mão
Foda é que nenhum deles pensou mais de duas vezes pra formar e entrar em ação
Pra tomar essa decisão
E foram pra pista, sacolão da avenida, ó, pronto, escolhida a melhor opção
E era bala e pó pra começar
Era só chegar, pegar e vazar
E quem impedir de voltar com o dinheiro sem algo importante também vai voltar
E ele ia acostumar com essa vida volátil, fácil, fútil, louca
Drogas e glúteos, noias, estupros, trocas de tiro a queima roupa

Quem tem medo de tudo, nunca cresce, é fato
Coragem pro meu povo derrubar os rato
Não preciso delas se eu tenho você, porque traição é só beijo na boca
Menor cresce, tá dentro de uma cela, antes de pensar em ser o dono da boca
Só por Deus, morre um dos deles, morre um dos nossos
Quem lucra com isso é o filho dos bush
Os pau no cu que se acham os dono do mundo
Duvido muito de isso tudo (no van a tomar la amazônia, hijo de las putas)
Pode pá, verdade dói
Colonização, doce evolução, escravidão pra uma nação que não pensa
Pode pá que a rua tá tensa, são mateus na madruga eles não querem saber
Pro demônio não interessa, donde é que cê vem, pr'onde cê vai?
E por que da sua pressa? Se corre o bicho pega, prega peça
Cromada e bala a beça, agora é sem conversa
Pega só boy que o pai caga outro na sequência

É o menino assassino
É o menino assassino

Marionetes que praticam o mal
E mal sabem o peso que isso tem
Esse transtorno já virou habitual
Onde um faz mal do outro pra se sentir bem
Marionetes que praticam o mal
E mal sabem o peso que isso tem
Esse transtorno já virou habitual
Onde um faz mal do outro pra se sentir bem

Ae, fecha todos os bar, todas as biqueira
Em memória do malandro que a polícia matou, certo?

E eles foram pra leste com aquele gol bola, da senhora da norte
Inverso da dutra, desceu aricanduva, e os policiais atrás e de frente com a morte
Álcool na ferida e a vida dói, e essa noite eu vivi um sonho enorme
E os dois que viraram cinco, viraram dois de novo, colisão de frente na ragueb choffi
Então desculpa, mãe, só fez sentido hoje, de costas pra parede com a tropa de choque
Isso é um assalto do lado dos 12, de 12, são 12 viaturas, treinamento e sorte
Forjaram envolvimento na cena dos coisa, justiça sempre foi dinheiro forte
Então não fode com a minha paciência que a violência do seu estado já não é de hoje
Enquanto autoridades desfilam de porsche, exploração do petróleo fortalece a fome
O plano agora é enganar exploradores, plantar tudo que eles comem e vigiar com drones
Meu povo ainda é mão de obra da ford, e agora é toque de recolher às 11
Na boca tem quem vende, lá em cima tem quem troque
Que nós não somos mais os escravos que seus gringo trouxe

Mais um jovem, de 19, morreu precoce alí tentando a sorte
Mas nessa não teve sorte
Viu que não ia escapar, se entregar, nem fudendo
Nós troca, dois morre, embaça e não corre
Tá tendo é o poder financeiro e uns revólver, investimento forte estrangeiro
Conexão brasileiro, um transporte negreiro
Navio com os preto que os branco num aceita e deporta pro extremo
Boca de fumo e puteiro, só talibã tem no gueto
É na cara, que nada, o que eu canto é conselho
Meu mal, meu medo
Solto no vento, e cólera é a sonoridade de peso
E os primo de 12 no beco, e as criança crescendo de olho no exemplo
Com a bolsa no tráfigo pego, vodka, gelo, red
Favela ferve e ela querem amor com quem tem dinheiro
No cash se perde e no final da night é no pelo
Moleque novo, daquele modelo, pesado no beat
De cem que eles mata dos nossos, nasce um milheiro
Rio de janeiro nem bosta de rota
Nem bope de tropa lá, breca um manejo da droga, coca na barca dos bota
Meu mal, meu medo
Meu mal, meu medo te força

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir