Aí está você, parada, estagnada.
Como uma estatua, segue em seu lugar
Com minhas fantasias quebro as correntes
Penetro tua mente, invado seu olhar

Farpas e espinhos do seu labirinto
Me fazem sangrar na hora de voltar
Vou chutando as pedras que entram no caminho
Faço teu castelo, com o que sobrar

Até que meus dedos quebrados toquem canções
Que me façam respirar, o ar gelado da escuridão
Teus lábios me levam, aonde os meus monstros
não possam me alcançar
Antes da glória a redenção

Ahh, Ahh, Amor sublime amor
Amor sublime amor
Ahh, Ahh, Amor sublime amor
Amor sublime amor

Perdido, abandonado, minha vênus de milo
Estagnado, te sigo só com meu olhar
As tuas correntes, prendem minhas fantasias
Penetro teu interior invado teu lugar

No teu labirinto, sangro o meu castigo
Minha oferenda para o teu altar
Caminhos de pedra, esse é meu destino
Faço o meu castelo, quando você voltar

Ahh, Ahh, Amor sublime amor
Amor sublime amor
Ahh, Ahh, Amor sublime amor
Amor sublime amor

Amor sublime amor
Ahh, Ahh, Amor sublime amor
Amor sublime amor

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: João Crahim / Marcelão / PH Castanheira / Rude / Sérgio Knust / Zé Henrique · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por Rude
Viu algum erro na letra? Envie sua correção.