exibições 2.320

Pai João

Ruy Maurity


(1977)

Pai João na capoeira entoava cantos dos tempos de Zambi
Foi escravo na fazenda, mão e pé dos senhores da Casa Grande
Nêga, bicho não é homem, quando o couro come, fica sossegado
Lua cheia, noite clara, nego na senzala vira cão danado

Pai João sentado em toco, cachimbo, marafo, velho curandeiro
Pros soldados nos terreiros conheceu o mais cruel dos cativeiros
Conta do amor de Catarina pelo valente negro Mateus
Sabe quanto a dor magoa, mesmo assim perdoa todos filhos seus

Pai João então se cala, limpa uma lágrima, estende a mão
Bate asas como um pássaro, desaparece na escuridão.
Pai João então se cala, limpa uma lágrima, estende a mão
Bate asas como um pássaro, desaparece na escuridão.

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: José Jorge / Ruy Maurity · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por Lauro
Viu algum erro na letra? Envie sua correção.