Na porta, no portão, na casa, no pombal
Flores do mato, água fresca e natural
Na estrada, na pedreira, à boca do sertão
Poeira e vento, tempo claro de verão

Ah, azular, é o que dá trabalho, azular
Ah, azular, nos olhos descrentes desenhar
O gosto das frutas que apanhar do chão
Limpas como sempre estiveram
Limpas como sempre estiveram

Ah, azular, é o que dá trabalho, azular
Ah, azular, nos olhos descrentes desenhar
O gosto das frutas que apanhar do chão
Limpas como sempre estiveram
Limpas como sempre estiveram

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir