Na Ponta dos Dedos

Shana Müller

exibições 20.059

Repentinamente a dor me pealou
Me molestou os olhos
Apressadamente o violão se amigou
Foi me pedindo colo.

Cantador de vida brejeira,
Não canta besteira, nem charla em vão
Manuseia os apegos da fala
E espera volteada, alçar de função

Cautelosamente o mal me embretou
Me desalmando o chasque
Tinha umedecido as leguas do grão
Lavando a cor do mate.

Cancioneiro de prosa caseira
Não culpa as ovelhas dos males que tem
Faz seus versos rodeados de amigos
E educa os ouvidos no canto de alguém

Ai, violão veiaco
Eu quase me mato te amando, parceiro
Faz de conta que nesta milonga
A vida se alonga na ponta dos dedos

Prazeirosamente o tempo amansou
Foi me sovando as botas
Veio me tenteando o lenço e o chapéu
E uns troço que se gosta

Quisera, ter podido
Dormir a cavalo e fazer-me esquecer
Silencioso com a minha silhueta
Rondando as fronteiras do meu bem querer

Add a playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir