Que se fodam, que se explodam!
Não lutarei por covardes, nem que me custe a forca!

E nunca mesmo, podem tentar, ameaçar
Mas meu respeito nunca terá
Porque na linha de batalha, minha cabeça é que rola
E meu filho que chora
Enquanto a corja comemora
Bebendo a porra do whiskey importado
Jogando merda nos alienados

Grite, corra, enfrente a desgraça
Escorra o sangue, no fio da navalha
Grite, corra, enfrente a desgraça
Escorra o sangue, no fio da navalha

Punição! “pros” cuzão!
Que roubam o pão, sem compaixão
Enquanto meu filho ainda chora no chão!

E nunca mesmo, podem tentar, ameaçar
Mas meu respeito nunca terá
Porque na linha de batalha, minha cabeça é que rola
E meu filho que chora
Enquanto a corja comemora
Bebendo a porra do whiskey importado
Jogando merda nos alienados

Grite, corra, enfrente a desgraça
Escorra o sangue, no fio da navalha
Grite, corra, enfrente a desgraça
Escorra o sangue, no fio da navalha

Grite, corra, enfrente a desgraça
Escorra o sangue, no fio da navalha
Grite, corra, enfrente a desgraça
Escorra o sangue, no fio da navalha

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir

Posts relacionados

Ver mais posts