Músicas polêmicas: conheça 15 canções que deram o que falar

Listas musicais · Por Felipe Oliveira

30 de Outubro de 2021, às 19:00

Para artistas, é quase impossível ter uma carreira sem se envolver com polêmicas. E com músicos não é diferente. Além de escândalos e controvérsias em suas vidas pessoais, eles não conseguem escapar de músicas polêmicas também.

Às vezes a polêmica nem está relacionada com o significado das músicas, e já em outras vezes os próprios artistas antecipavam a polêmica que a música causaria.

Mas, independente do motivo, trouxemos uma lista cheia de músicas polêmicas. Ficou curioso? Continue lendo para não perder nada!

Músicas polêmicas

Existem músicas polêmicas de todos os gêneros, do rock à MPB, passando pelo sertanejo e pelo pop. Separamos algumas delas para você conferir e ficar por dentro!

Papa Don’t Preach — Madonna

Rainha do pop e dos vídeos e músicas polêmicas, uma das várias canções de Madonna que foi criticada é Papa Don’t Preach

Na época, foi dito que a mensagem da música vangloriava a gravidez indesejada, prejudicando a conscientização sexual de adolescentes.

Lucy In The Sky With Diamonds — The Beatles

John Lennon conta que se inspirou num desenho feito por seu filho para compor Lucy In The Sky With Diamonds, mas outras interpretações surgiram logo após o lançamento da canção.

A letra enigmática e as iniciais do nome da canção fizeram muita gente acreditar que se tratava de uma música sobre LSD. Várias rádios deixaram de tocar a música, o que só contribuiu para a aura polêmica que ronda a canção.

Confira o significado por trás das melhores músicas dos Beatles

Do What U Want — Lady Gaga (feat. R. Kelly)

Do What U Want chamou a atenção negativamente por unir Lady Gaga ao cantor R. Kelly, que enfrentava diversos processos por abuso sexual, numa canção que falava sobre dar a um homem poder sobre seu corpo. 

O clipe da música foi considerado sexual demais e nunca foi lançado, e Gaga optou por remover a canção das suas plataformas oficiais de streaming.

The Number Of The Beast — Iron Maiden

Como o nome diz, The Number Of The Beast faz referência ao número 666, tido na Bíblia como o número da besta. A banda foi acusada de satanismo por diversos grupos religiosos, mas sempre esclareceu que a letra da música não fazia apologia nenhuma.

Sympathy For The Devil — The Rolling Stones

Narrada em primeira pessoa, como se fosse o próprio Lúcifer se vangloriando por seus feitos, Sympathy For The Devil foi banida de várias rádios na época de seu lançamento.

A música mudou a percepção do público e da crítica sobre a banda, que passou a ser rondada por rumores de satanismo e ocultismo.

Blurred Lines — Robin Thicke (feat. T.I & Pharrell Williams)

Apesar do sucesso, Blurred Lines sofreu críticas desde seu lançamento, por objetificar as mulheres e contribuir para a cultura do estupro.

A modelo Emily Ratajkowski inclusive acusou o cantor Robin Thicke de assediá-la na gravação do videoclipe.

God Save The Queen — Sex Pistols

Enquanto a Inglaterra comemorava os 25 anos do reinado da Rainha Elizabeth II, em 1977, o Sex Pistols ia na contramão e lançava God Save The Queen.

Com críticas duras e acusações contundentes, a canção foi banida de várias rádios. Ainda assim, ficou em segundo lugar da parada britânica, com direito a rumores de boicote para que não chegasse ao topo.

Mundo Animal — Mamonas Assassinas

Os Mamonas Assassinas tinham um arsenal de músicas polêmicas, né? Uma delas é Mundo Animal, que faz referências claras à zoofilia.

Me Lambe — Raimundos

Músicas polêmicas e Raimundos são quase sinônimos. Dentre tantas letras com alto teor de machismo, Me Lambe vai ainda mais além ao falar de um homem que se sente atraído por uma menor de idade.

Smack My Bitch Up — The Prodigy

O The Prodigy sempre negou, mas Smack My Bitch Up sofreu acusações de incitar a violência contra mulheres desde seu lançamento. A música acabou sendo banida de diversas rádios.

O clipe, que mostrava uma noite regadas a drogas, bebidas, brigas e sexo, tinha bastante cenas explícitas de nudez e violência, e acabou também sendo banido da televisão.

Killing In The Name — Rage Against The Machine

Killing In The Name é uma música de protesto que ajudou a dar projeção mundial ao Rage Against The Machine. Cheia de palavrões e com uma letra dura que critica o imperialismo estadunidense, a canção causa polêmica até hoje quando é tocada.

Nosso Sonho — Claudinho e Buchecha

Grande sucesso do funk melody dos anos 90, Nosso Sonho chamou a atenção não só pela sua batida contagiante. Ao fim da canção, é revelado que a declaração de amor é dirigida a uma menina de 12 anos. Pesado, né?

Ultraviolence — Lana Del Rey

Por seguir um padrão de composição, várias músicas da Lana Del Rey são consideradas polêmicas.

Romantização e submissão feminina são temas recorrentes, e em Ultraviolence ela minimiza o comportamento agressivo do parceiro em nome do romance.

One In a Million — Guns N’ Roses

One In a Million foi a primeira composição solo do Axl Rose para o Guns N’ Roses. Os outros integrantes da banda tentaram convencê-lo a mudar a letra, que destilava racismo, xenofobia e homofobia, mas ele não concordou.

Maria Chiquinha — Sandy e Junior

Nem mesmo os queridinhos Sandy e Júnior escaparam de terem músicas polêmicas. Maria Chiquinha conta com elementos de adultério, feminicídio e necrofilia, e ser cantada por duas crianças só aumenta o problema.

Maria Chiquinha: a polêmica história do sucesso de Sandy & Junior

Conheça a história de mais músicas

Com ou sem polêmicas, muitas músicas são derivadas de experiências reais. Para continuar no clima de descobrir os bastidores das canções, confira 10 músicas inspiradas em histórias reais que você precisa conhecer

Músicas inspiradas em histórias reais

Outros posts que você pode gostar: