Eu não consigo engolir essas verdades calculadas
Essas respostas encaixadas que limitam o meu saber
O saber de sentir a esperança de tentar evoluir
Sem enxergar o fim da linha mesmo se ela não existir

Mesmo se ela não existir
E não puder me aguentar
Eu não vou me permitir falhar

E mesmo cega de ilusões dos brilhos artificiais
Os que me induzem desejar colecionar coisas banais
Que me sufocam e me fazem esquecer a minha essência
Ainda escuto e sigo o eco da voz da minha consciência

Eu vou sentar e assistir você morrer na sua teia
Seu castelinho de areia lentamente vai cair
Uma voz sufocada vira um grito quando escapa
Não preciso de mais nada e no fim eu vou sorrir

Mesmo se ela não existir
E não puder me aguentar
Eu não vou me permitir falhar

E mesmo cega de ilusões dos brilhos artificiais
Os que me induzem desejar colecionar coisas banais
Que me sufocam e me fazem esquecer a minha essência
Ainda escuto e sigo o eco da voz da minha consciência

Cega de ilusões dos brilhos artificiais
Os que me induzem desejar colecionar coisas banais
Que me sufocam e me fazem esquecer a minha essência
Ainda escuto e sigo o eco da voz da minha consciência

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir