O meu pai foi laçador, meu avô flor de campeiro
E por isso meu parceiro, ser domador é minha sina
Quero bem os meus guris, me orgulho da minha china
E por isso meu parceiro, ser domador é minha sina

Levanto junto com os galos, preparo um mate a capricho
Depois vou lidar com os bichos, peço a deus a proteção
Que abençoe mais um dia, na nobre lida de peão
Depois vou lidar com os bichos, peço a Deus a proteção

Meu tirador couro cru, meu cavalo Puro Sangue
Ganho essa vida no braço, e num simples tiro de laço
Abraço todo o Rio Grande!

O bigode enfumaçado, uma estampa verdadeira
Tenho a alma galponeira, que meu pai sonhou prá mim
Sou gaúcho até o fim, raiz da velha figueira
Me orgulha a herança campeira, que mora dentro de mim

“Esta é uma homenagem, aos nossos antepassados
Guerreiros antigos, que às vezes são esquecidos,
Mas são os gaúchos de fato”

O lidar a qualquer hora, debaixo de sol ou lua
É minha verdade crua, me engrandece o trabalho
A minh’alma se desdobra, igual carta de baralho
É minha verdade crua, me engrandece o trabalho

Quero deixar pro meu filho, uns apêros de lembrança
Prá que guarde como herança, o amor por esse pago
Prá que ele jamais esqueça, de honrar o lenço encarnado
Quero deixar pro meu filho, o amor por esse pago

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: Ademar Pereira / Amaro Peres · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por gildo
Viu algum erro na letra? Envie sua correção.