A cadeira estava sem as pernas sentada no chão, no centro da sala
As partes formavam uma cruz
A cor era nostálgica
Dava sentido pra dança da poeira até grudar na janela

(Precisava de circulação)

Rastros de um desmanche, mancha dos objetos no chão!
Rastros de um desmanche, mancha dos objetos no chão!

No vidro não tinham desenhos, mas tinham digitais
No vidro não eram desenhos, eram digitais
No meu ouvido ela gritava

Baby, baby, eu sei que tudo morre, que tudo acaba
Que a morte faz um risco na retina como a faca de buñuel
E os olhos se regeneram mas o trauma do corte
Refaz seu movimento num eco fantasma

Olhe para este ponto, fure aqui
Amorteça esse desenho, corte aqui
- Quero dar um reload, uma turbinada
Olhe para esse ponto, amorteça meu desejo
Pra uma cicatrização perfeita e o disfarce completo da cirurgia

Mas é plástico, é uma enrascada!

O sorriso é prático
A mulher diz: Vai com Deus
Deus não tá alí

O sorriso era histérico e aquela delicadez
Escondia uma violência mortífera que envenenava o vento

Eles diziam; vamos nós ao vosso reino
(Numa construção ambiciosa)
Eles diziam: Seja feita a vossa vontade
(Na frente do espelho)

Com o altar queimado
E o olhar em cruz
Céu/inferno/morte/sul
(Olho pra cima, olho pra baixo, olho pro lado, olho pra frente)
Céu/inferno/morte/sul

E as doenças tantas que as flechas de miguel vinham com insights alopáticos
Os colapsos eram pessoais, mas manchavam a paisagem

A paisagem era bela
Alguém gritava
Mata-me de desejo
O sexo que era estranho
(Mata-me de desejo)
O menino é real
(Mata-me de desejo)
A faca era decepcionante
(Mata-me de desejo)
O sorriso era histérico
(Mata-me de desejo)
E uma morte graciosa

Havia um brilho no microscópio do seu olhar

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir