O mundo é enorme, eu sei.
É tanto quilômetro que parece não ter fim, eu sei.
É muita cara, é muita opinião. né?
Mas, eu insisto,
Embora isso canse e me estresse,
Provar pro resto que sou eu quem tem razão.
E ai de quem disser que não;
Que eu não entendo e que nem vou tão cedo.

Eu tenho pena
De quem não se deixa persuadir
E diz que eu sou um porre, um doente, um indelicado...
Aí sim eu gargalho!
Eu não dou a mínima, não. não considero.
Eu não preciso de ninguém; não preciso de ninguém. eu não preciso.
E ai de quem disser que sim;
Que eu não entendo e que nem vou tão cedo.

Eu nasci com o intuito de esbanjar
Toda coisa que aprendi pra te reduzir, irmão.
Eu vi filme, eu assisti doc. na televisão,
Eu li livro, eu visitei o museu, a exposição,
Vi orquestra e viajei lá pra fora de avião...

Se eu me apertar; é improvável, mas
Se o interlocutor retoricar demais,
Argumentar demais, raciocinar, quiser sair no braço,
Não me embaraço.
Tenho o estratagema, trapaceio, chantageio, me finjo de doente,
Falo que alguém morreu ou chamo de palhaço.
E ai de mim se eu não vencer
E precisar me aliar; eu choro.

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir