Mão no ar Luanda
Yeah, Maputo mão no ar
Bissáu mão no ar
São Tomé, São Vicente
Bissáu
Isto é dedicado aos nosso irmãos da Beira
Tamos convosco claro
Bora, bora, bora, bora
Este é o nosso dialecto
Politicamente incorreto
Quando o V começa a dar na cara
Não para
Este é o nosso dialecto
Politicamente incorrecto
Quando o V começa a dar na cara
Não para

Eles querem saber quando é que a maquete sai para a net
Quando é que eu vou para a estrada
Quando é que é o Coliseu
Manos dizem que o mano Estraca é o novo Valete
Que se foda esse wero wero, o novo Valete sou eu
Rima inata, perversa como um homocrata
Até à data sou o único rapper homeopata
Vens armado em acrobata ficas sem omoplata
Segue a carta do cartel aqui é plomo o plata

Todos perguntam me o que é que eu acho do Uzi Vert
Todos perguntam me o que é que eu acho do SippinPurp
Manos bora falar do nosso cenário encenado
Bora falar dos mercenários no nosso senado
Bora falar do mecenato de Raul Solnado
Eu quero ser mais um soldado contra Bolsonaro
Vê-me a levitar beef sabes que é de evitar
Não há que duvidar o Viris é uma divindade
Estudei Pio XI, o Papa Nazi
Depois da rima do Babalaze eu ganhei paparazzis
Eu sonho em ser timoneiro, sonhas com um Mazeratti
Sou pioneiro mas rafeiro como um Materazzi

Redes sociais, são o teu momento solene
Entravas em depressão se acabasse o Instagram
A escola só nos difama por isso eu Makukulo
Que se foda Vasco da Gama ensinem Shaka Zulu
Aqui não há rap de paka mano, aqui não há cadelas
Teu flow é barco à vela, o meu é arte, é aquarela
Viris esburaca como Freeway na Rockafella
E é patriarca quando saca aquele a capella
Fico fodido quando penso no mano Rodrigo
Que apanhou a dama dele na cama com o melhor amigo
Cortou o gajo, bem feito, três cortes no peito
Cobiçar a dama dum tropa é o máximo desrespeito
Uh, tu queres os holofotes
A gente resolve o problema como Viktor Zolotov
A gente dissolve e come os rappers como strogonoff
Aqui todas as estrofes são cocktail molotovs
Lembro quando a democracia ainda nos merecia
E quando diziam que a plutocracia era uma heresia

Hoje o diabo te amacia e se delícia
E já não temos poesia com la policia
Viris assola, degola, Viris não protocola
Ainda escrevo com a mesma bitola de Francis Ford Coppola
Sou velha escola, santola, como pager Motorola
Viola no saco mano, não contas pó' totobola
Não beefo com a quantidade de manos que damas comem
Beefo com essas damas que engravidam só para prender homens
Parabéns caçaste a presa com a tua esperteza
Cabra um dia Karma chegará podes ter a certeza
Onde o Hip-hop se mascara, Viris não para lá
As barras são de energia rara como pó de guaraná
As barras são do Niágara e acabam no Paraná
Zukas dizem que a rima sara e dão-me saravá
Lá na zona só se debate sobre a nova escola
Quem é o novo Maradona quem é o mano que move a bola

Quem é o novo Zidane, quem passará no exame
Dillaz, Hollyhood, Slow J, Prof ou G-Son
Isto é loucura como outrora lá no Bora Bora
Minha rima é tipo chora depois e chora agora
Mato inimigos com ataques aéreos fora de horas
Como americanos mataram afegãos em Tora Bora
Margem Sul tá na hora
Porto tá na hora
Braga tá na hora
Bora, bora, bora, bora
Este é o nosso dialecto
Politicamente incorreto
Quando o V começa a dar na cara
Não para
Este é o nosso dialecto
Politicamente incorreto
Quando o V começa a dar na cara
Não para

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir

Posts relacionados

Ver mais no Blog