Foto do artista Visão Moral

Luneta da Meia Noite (Parte 2)

Visão Moral


Meia noite em ponto na rua sou a neblina
A fumaça que corrói seu psicológico, a nicotina
Na esquina, se pá tem vários que contamina
Usa a mesma seringa, na veia injeta heroína
Policia prende trabalhador, fala que é bandido
Eu sou o terror que agora saiu de dentro do presídio
Insisto pelos meus objetivos, vou atrás
Um louco sonhador no interior em busca de paz
Rapaz, várias fitas que rolam no dia a dia
Quando a esmola é demais o santo desconfia
Na correria por aqui eu vou manchando de sangue
A cena é inevitável o pesadelo é constante
Diamante no cofre, cresceu até o zóio do vigia
Em um minuto espera no muro sair a família
Quem diria, uma trairagem do próprio empregado
No condomínio de luxo, cerca elétrica pra todo lado
É embaçado a filmadora grava a placa do Civic
Acabei de explodir o dono com uma dinamite
Assiste sozinho na sala a bola da vez
Volume no último, no túmulo mais um fregues
Aprendendo falar espanhol agora no inferno
Nem vem pra cá da uma de tão esperto
No cemitério uma pá que se cresceu em cima
Que diziam que era os tal que batia em toda briga
Hoje em dia não da mais pra confiar em ninguém
Parceiro você não tem, muitos te afundam além
Porém eu sei que tem, em qualquer lugar, tem que saber
Chegar na humildade e colar com procedê
Nem você vê mas seu parceiro talarica
Quando você vira as costa ele ataca sua mina
Tipo uma cascavel quando da o bote na preza
Você fica sem defesa, coloca na cabeça
Aconteça o que aconteça, eu vou descarregar
Na praça eu já não vejo mais crianças brincar
Não da pra comentar o que acontece com esse mundo
Luneta da meia noite vem mostrando tudo
No escuro uma puta que faz em troca de pedra
Ainda de menor, mas já conhece todas as regras
Na guerra assim, vai sobrevivendo então
Até politico aprendeu a roubar esse mundão
Na lei do cão a nossa ilusão ta se crescendo
Aí eu pergunto pro moleque: "Cadê o exemplo?"
Vai vendo, gambé ta matando e fica livre
Ameaça o moleque de pele escura olhando a vitrine
Louco pra ter uma roupa nova, um Tênis Broonk's
O que seria da minha pessoa sem o microfone
Mantendo meu nome na humildade e o procedimento
Cada fato que eu vejo aqui, vou escrevendo
Gambé ta cheirando uma carreira na prancheta
Forja o 1.16 no inocente e pega a caneta
Moleque que se espelha no gambé, é filho do milionário
Enquanto o filho do sofredor assalta o bancário
Na rádio mais um comentário se cresce hoje
Uma pá de gambé foi preso, parece uns 12
Ahah .. Eu dou risada na cara desse sistema
Eu sou o pesadelo que agora ta de volta em cena

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir