exibições 5.556

Da Mãe

Zé Ramalho


Escrever para a mãe
Como quem escreve para o início
Para a origem do primeiro sopro
Para as carnes que me envolveram
Em meu corpo pleno de plasma
Escudo, cama e o teto
Quando tudo era de cristal
Mulher de ferro derretida em fogo
Lava cuspida em dor e cor
Estaticamente parada de pé
Escorrega e espera-me
Que um vulto passe e lhe toque
Sua pele metálica e macia
Rígido olhar de procuras
Mordida de átomos
Alquímicas e nuas
Suas duras paixões
Movimentos quebraram
Dunas e arestas do estômago
Que a mim tão bem me cabiam

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir