Eu sou como um marinheiro, que tropeça junto ao mar
sou como um olhar cigano à volta do teu olhar

Não tenho sempre razão não serei bom inquilino
saudades só de onde em onde, não tenho pátria nem hino

iôiô... quem se perdeu, encontrou
quem partiu também chegou
clandestino cá e lá
sem saber se algum Deus há

Pelos cantos da cidade desenhei a minha casa
construía-a sobre as dunas que ficam na maré vaza

Sou como sou
basta-me o vento
leva-me a onda
tudo o que tento

Sou como sou
onde me ausento
basta-me a festa
chega-me o vento

Eu sou como um embarcado, tão depressa chega e vai
a partida é meu destino, quando a noite quente cai

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir