Eu já tinha prometido
Nunca mais me intrometer
Em peleia de fandango
No galpão do CTG
Mas dessa vez apareceu
Um reboliço danado
Entre a mulher do patrão
E a noiva do delegado

(E a gaita véia
Num bugio grosso
E dê-lhe osso
Era um gritedo:
"Larga, larga, cabeluda"
"Sai daqui, mondongo azedo"
De envergonhar papagaio
Criado no chinaredo
No CTG se pagava pra ver
Toda aquela folia
Deixe que ronque a gaita
Que isso é briga de bugia)

O motivo era vulgar:
Havia macho no meio
E não seria o patrão
Que era um índio muito feio
Nem tampouco o delegado
Merecedor de respeito
Mas que em termos de mulher
Não levava muito jeito

(E a gaita véia
Num bugio grosso
E dê-lhe osso
Era um gritedo:
"Larga, larga, cabeluda"
"Sai daqui, mondongo azedo"
De envergonhar papagaio
Criado no chinaredo
No CTG se pagava pra ver
Toda aquela folia
Deixe que ronque a gaita
Que isso é briga de bugia)

No calor do bate-boca
Um dedo duro surgiu
O gaiteiro era o motivo
Do rolo do mulherio
Por isso roncava a gaita
Bem alto pelo salão
Com medo do delegado
E do mango do patrão

(E a gaita véia
Num bugio grosso
E dê-lhe osso
Era um gritedo:
"Larga, larga, cabeluda"
"Sai daqui, mondongo azedo"
De envergonhar papagaio
Criado no chinaredo
No CTG se pagava pra ver
Toda aquela folia
Deixe que ronque a gaita
Que isso é briga de bugia)

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir
Composição: Elton Saldanha / Jorge Costa Melo · Esse não é o compositor? Nos avise.
Enviada por Anderson
Viu algum erro na letra? Envie sua correção.