O poço é negro e sem fundo
No precipício do fictício mundo
Onde o salto é mais profundo
No coração do homem imundo

Desarma e vem…
Saltar mais além…
Desarma e vem…
Saltar as vertigens…

A mente sente insegurança
Na corda bamba que balança
No desconcerto da mudança
Que espanta e canta a esperança

Equilibrante fascista
Habilidoso cientista
Que avalia o vôo
Que se confia ao pouso
Na eterna afronta do pensar
Muito mais que a razão possa alcançar

Entregar-se a alma pra voar
Entregar-se a calma pra mudar
Sentir-se firme no desafio
Do fio da morte
Do homem da sorte

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir

Posts relacionados

Ver mais posts