A satisfação plena está longe de qualquer remuneração rasa
Teu caráter depende da quantidade de cortes na tua pele
Sim, teu tempo está prestes a colidir com o tempo do mundo

Uma explosão quântica anuncia a virada temporal feito elástico
E todos caem, todos veem e todos sabem
Cada frágil feição é facilmente dominada pelo medo
A insegurança de não saber quem é do outro lado do fio
Afinal é muito mais prático ver o mundo em pixels
São perfis subjetivos para não sujar as mãos

E todos caem, todos veem e todos sabem

Fora de controle, o animal irracional
O que resta de razão escorre pelos esgotos dos centros desertos
Tudo é coberto
A ironia de um mundo soterrado por nós mesmos

E todos caem, todos veem e todos sabem

Não há força que rompa o elástico do tempo
Não há muro que resista a colisão do elástico
Nossos papéis não saem do roteiro e o ciclo recomeça
Fazer sorriso de sujeira
E aproveitar o que se tem

E todos caem, todos veem e todos sabem

Adicionar à playlist Tamanho Cifra Imprimir Corrigir